17 de Outubro 22:53
Catalunha já vive fuga de empresas

Centenas de empresas já deram as costas à Catalunha

  • Centenas de empresas já deram as costas à Catalunha
  • Da Deutsche Welle

    Independente da gestão da crise na Catalunha, muitas empresas ali alocadas já puxaram freio de emergência e mudaram sua sede. E o crescimento da economia espanhola também sofre com o impasse.

    "No final, trata-se apenas de dinheiro, e o governo espanhol simplesmente não quer ser chantageado, por isso essas idas e vindas que já duram anos", opina o economista José María Gay de Liébana, professor universitário em Barcelona.

    A região autônoma quer obter a soberania fiscal, como é o caso de Navarra e o País Basco, que a ganharam em 1978 com base em direitos históricos na transição para a democracia.

    O economista catalão também acredita que o atual sangramento da economia regional, através da migração parcial ou completa de já 500 empresas, marcará o futuro caminho da gestão da crise:

    "O futuro da Catalunha é incerto, não importa como as negociações para a separação e os esforços de diálogo vão transcorrer, a região permanecerá marcada a longo prazo e os cegos partidários da independência vão acordar."

    As firmas catalãs reagiram tarde à radicalização de seu governo regional, mas agora não se consegue mais evitar o efeito dominó da migração de empresas. Não importa o que aconteça entre os políticos nos bastidores: o dano é real e não pode ser reparado tão rapidamente.

    "E também o boicote contra produtos catalães continuará por muito tempo, sempre foi assim na Espanha. E vai levar muitas empresas à falência", afirma Richard Wolf, empresário alemão radicado em Madri.

    O impacto econômico do conflito na Catalunha já é claramente perceptível para os residentes da região: "Nossa imagem está abalada", diz Cristina Sorli, empresária de longa data em Barcelona, onde dirige uma bem-sucedida escola internacional de beleza.

    De acordo com a associação espanhola de tabeliães, somente no dia 9 de outubro – data em que o chefe do governo regional da Catalunha, Carles Puigedemont, declarou e logo suspendeu a independência no Parlamento – 212 firmas da região requereram a mudança de sede para outro lugar na Espanha.

    Setor bancário

    Pior do que o dano econômico direto causado à Catalunha pela fuga de empresas, que é avaliado em até 60 bilhões de euros, é a perda de longo prazo para toda a Espanha como polo de negócios.

    Segundo Gay de Liébana, as dívidas da região autônoma e de economia forte perfazem cerca de 200 bilhões de euros. Com uma classificação de B+ pela agência de rating Standard & Poors, a Catalunha já é um risco para o investidor.

    Se o conflito se estender, essa classificação pode baixar ainda mais. Isso teria sérias consequências para a Espanha, que responde pela região. Principalmente os quatro bancos mais atuantes na Catalunha sofreriam com esse desenvolvimento: o Banco Sabadell, que somente há duas semanas transferiu a sua sede para Alicante, é responsável por 25% dos negócios nacionais provenientes da Catalunha. La Caixa e o BBVA respondem por 20% e o Santander, 15%.

    "Os bancos catalães reagiram tarde, mas a transferência da sede da empresa nas últimas semanas foi o passo certo", avalia o economista. No entanto, escuta-se nos círculos financeiros catalães que os bancos continuam a perder clientes na região.

    Sem volta

    As companhias de seguros catalãs Catalana Occidente, Vidacaixa e Segurcaixa também se agarram à velha máxima de que "o seguro morreu de velho" e mudaram a sua sede da Catalunha. O grupo francês Axa juntou-se à tendência e transferiu-se para Bilbao. Algumas companhias, como a empresa de energia Gas Natural, estão apenas mudando temporariamente o seu endereço, mas Juan Igancio Sanz, da escola de negócios espanhola Esade, diz que a maioria das decisões não será mais revertida:

    "Tais passos são complicados e não podem ser modificados tão facilmente. Estamos falando de grandes corporações que não querem mais necessariamente estar ligadas ao nome da Catalunha."

    Em seu artigo Cataluña: Los diez próximos años, o assessor de investimentos Juan Ignacio Crespo afirmou no jornal espanhol El mundo que o país terá que esperar, provavelmente, dez anos para superar o atual conflito e as suas consequências econômicas.

    Em sua opinião, a Catalunha permanecerá parte da Espanha e da União Europeia também em 2028. Mas o conflito foi um grande retrocesso para o país, que desde 2016 registrava uma clara tendência ascendente.

    Hesitação em Madri

    O governo em Madri tem que agora pesar cuidadosamente cada passo. O primeiro-ministro espanhol e o seu gabinete estão avaliando que impactos de curto prazo poderão ter para o mercado financeiro decisões como a suspensão da autonomia da Catalunha (aplicação do Artigo 155).

    O país, altamente endividado, não quer que a sua classificação de risco e, assim, também a sua dívida soberana aumente consideravelmente. A agência de rating americana Standard & Poors classificou até agora os títulos do governo espanhol com BBB+, à espera que a situação se acalme para uma possível melhora.

    "O problema é que, enquanto a Catalunha fizer parte da Espanha, o país terá de cobrir as dívidas da região e, se elas cresceram consideravelmente, a situação vai ficar crítica", diz Gay de Liébana.

    Atualmente, o endividamento espanhol equivale a 100% de seu Produto Interno Bruto (PIB). O economista espanhol tem razão: no final, tudo gira em torno do dinheiro. 

    deBrasília.com.br - todos direitos reservados ©
    Para anunciar: comercial@debrasilia.com.br    Tel:(61) 8150-0256
    Para envio de material/releases: contato@debrasilia.com.br
    Desenvolvido por MadMídia