26 de Fevereiro 09:23
Justiça francesa autoriza remoção de Calais

A ordem de expulsão de migrantes instalados na zona sul do acampamento conhecido como "Selva" de Calais (norte da França) foi validada pela Justiça apesar do recurso apresentado por um grupo de migrantes e associações, que tentaram impedir a operação

  • Ft.: Reuters/ Pascal Rossignol/ RFI Garoto afegão brinca em acampamento que deve ser desmantelado
  • Da RFI
    - Rádio França Internacional

    Depois de ter sido adiado na véspera, o desmantelamento de parte de um acampamento de migrantes na cidade de Calais, no norte da França, foi autorizado pela justiça nessa quinta-feira (25). O grupo de moradores deve deixar a maior favela do país e ser enviado para outras regiões do país.

    A ordem de expulsão de migrantes instalados na zona sul do acampamento conhecido como "Selva" de Calais (norte da França) foi validada pela Justiça apesar do recurso apresentado por um grupo de migrantes e associações, que tentaram impedir a operação. A juíza Valérie Quemener, que acompanha o caso, considera que a insegurança, a insalubridade e a violência – sobretudo entre imigrantes e forças da ordem – justificam o desmantelamento.

    A juíza alega que "a circunstância invocada" pelos imigrantes – de que "estão presentes há meses, ou anos, não lhes confere nenhum direito adquirido na manutenção desta situação irregular". Segundo a prefeitura de Calais, entre “800 e 1.000 imigrantes" vivem na área, mas as associações afirmam que mais de 3400 pessoas moram no local.

    A prefeita de Calais, Natacha Bouchart, declarou-se satisfeita com a decisão "responsável" da Justiça. Para ela, o desmantelamento de uma parte da "Selva" deveria acontecer "em um prazo estimado de três semanas pelos serviços municipais". Os chamados "espaços de convivência", como escolas, ou lugares de culto, serão preservados.

    O ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, também comemorou a decisão judicial. Mas “a ação humanitária de proteger os refugiados continuará, com a mobilização de todas as soluções de abrigo existentes", acrescentou o ministro.

    Expulsão deve ser gradual

    As associações receberam a decisão com um misto de fatalismo, ansiedade e decepção. "Estamos decepcionados, já que esta decisão precipita as coisas, e teremos de mudar muita gente em pleno inverno. Mas a ordem de expulsão deve acontecer em algumas semanas e de uma maneira progressiva. É precipitado, mas é melhor do que uma expulsão imediata. É menos ruim, vamos dizer assim", reagiu Michel Jansens, da ONG Médicos sem Fronteiras.

    De acordo com a representante do Estado na região norte, a prefeita Fabienne Buccio, expulsar os imigrantes à força não está na ordem do dia. "Temos um assunto humano delicado para tratar e devemos privilegiar o diálogo (...) É preciso parar de falar em 'vitória' e em 'ultimato'. Poderemos falar de 'vitória', quando todos os imigrantes estiverem abrigados", disse.

    Os refugiados que vivem na "Selva" são originários de países como Síria, Afeganistão, ou Sudão. A cidade de Calais é vista como uma escala antes da migração para o Reino Unido, objetivo principal da maioria dos refugiados, mas muitos deles acabam ficando meses no acampamento no território francês, tentando diariamente a travessia ilegal.

    * com informações da AFP

    deBrasília.com.br - todos direitos reservados ©
    Para anunciar: comercial@debrasilia.com.br    Tel:(61) 8150-0256
    Para envio de material/releases: contato@debrasilia.com.br
    Desenvolvido por MadMídia