22 de Fevereiro 23:19
Cameron: Brexit prejudicará a segurança e a economia do país

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, alertou nesta segunda-feira (22) no Parlamento que a saída do Reino Unido da União Europeia prejudicará a segurança e a economia do país, em uma sessão que deixou visível as divergências entre os conservadores.

  • Ft.: AFP/ RFI David Cameron tenta convencer os deputados que é melhor permanecer na UE
  • Da RFI
    - Rádio França Internacional

    "Deixar a Europa ameaçaria a nossa economia e a segurança nacional", declarou o premiê, que compareceu ao Parlamento para convocar o referendo sobre a questão, após retornar de Bruxelas, onde obteve algumas das exigências para a permanência britânica na UE.

    "Quando se trata dos empregos das pessoas, não basta dizer que tudo ficará bem da noite para o dia e que nos organizaremos", considerou o premiê, culpando os partidários do chamado Brexit de não pensar nas consequências.

    "Acredito que nas próximas semanas teremos que estudar atentamente as consequências econômicas que teria a saída", afirmou. "Somos um grande país e, seja qual for a decisão que tomemos, continuaremos grandes. Mas temos que escolher entre ser maiores em uma UE reformada ou dar um salto no vazio".

    Apoio dos principais partidos de oposição

    Cameron aproveitou a oportunidade para cutucar o seu colega conservador Boris Johnson, o prefeito de Londres e um dos políticos mais cotados para sucedê-lo, que anunciou no domingo (21) que apoia a saída do Reino Unido.

    "Não vou brigar por outro mandato, não tenho outra ambição do que conseguir o melhor para o meu país", afirmou, sem mencionar Johnson, cujo posicionamento foi atribuído por muitos observadores a cálculos políticos.

    Cameron respondeu a vários deputados conservadores irritados, que defenderam a saída da UE, mas encontrou o apoio dos principais partidos da oposição - trabalhistas e nacionalistas escoceses - em sua defesa da permanência no bloco.

    "O Partido Trabalhista e o movimento sindical são esmagadoramente a favor da permanência, porque a UE trouxe investimentos, emprego e a proteção dos trabalhadores e do meio ambiente", declarou o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn.

    Segundo o jornal The Times, metade dos 330 deputados conservadores darão as costas a Cameron. O jornal The Guardian afirma, por sua vez, que apenas os militantes conservadores de duas de suas 70 delegações locais estão a favor de continuar na UE.

    Libra despenca

    Em um artigo publicado nesta segunda-feira pelo The Daily Telegraph, Johnson explica que o referendo "é uma oportunidade única na vida de realizar mudanças reais" nas relações de Londres com seus vizinhos europeus.

    Mas os acontecimentos das últimas 72 horas - cúpula europeia, acordo com Londres, convocatória do referendo e declarações de Johnson - impactaram a libra esterlina, que caiu a seu nível mais baixo desde 2009.

    "Um embate frente a frente entre o primeiro-ministro e o prefeito de Londres (ambos do mesmo partido) causa grande preocupação no mundo dos investidores, e é por isso que tendem a deixar a libra para buscar a relativa segurança do dólar, pelo menos neste momento", explicou o analista Augustin Eden, do Accendo Markets.

    UE não vai participar da campanha do referendo

    Finalmente, a Comissão Europeia anunciou que não vai participar da campanha do referendo britânico, ao contrário do que fez na Grécia em julho de 2015, quando o governo grego submeteu a um voto popular o acordo para um novo resgate dos credores internacionais.

    Cameron começou no sábado o desafio de convencer seus ministros e a população britânica da conveniência de votar a favor da permanência do país na União Europeia, anunciando a realização do referendo em 23 de junho.

    O anúncio da data marcou o início de uma campanha difícil. De acordo com pesquisas, a metade dos britânicos deseja continuar na União, e a outra metade, abandoná-la.

    Em todo o caso, o chefe de Governo defenderá vigorosamente o "sim" e explicou que, no âmbito do acordo, o Reino Unido não terá que financiar os países da zona euro que atravessam problemas; suas empresas não serão discriminadas por não utilizarem o euro; terão novos poderes para deportar criminosos europeus que entrarem no país; e poderão limitar a sete anos alguns benefícios sociais aos imigrantes.

    deBrasília.com.br - todos direitos reservados ©
    Para anunciar: comercial@debrasilia.com.br    Tel:(61) 8150-0256
    Para envio de material/releases: contato@debrasilia.com.br
    Desenvolvido por MadMídia