28 de Julho 11:19
Brasileiro redescobre o prazer de comer galinha caipira

Mais saborosa e nutritiva que a de frango industrializado, a carne vem conquistando a preferência do consumidor cada vez mais preocupado em colocar à mesa produtos naturais e mais saudáveis

  • Ft.: Divulgação Luciano Maia, diretor-executivo da empresa
  • Até o início da metade do século passado quase não se via frango na mesa do brasileiro e a galinha caipira imperava, gloriosa e saborosa. Com a industrialização, a partir da década de 1960, o frango tomou esse espaço, mais pelo preço do que por qualquer outro predicado. Mas nos últimos dez anos, com a consciência cada vez maior do brasileiro sobre a qualidade do que come, a galinha caipira vem retomado seus tempos de glória. Prova disso são os números da Avifran - Avicultura Francesa, produtora de pintinhos caipiras de variadas linhagens e origem francesa, cujas vendas e produção cresceram em média 15% ao ano, nos últimos cinco anos. "A demanda tem crescido muito e a produção nacional não tem conseguido acompanhar essa expansão. Tudo que é produzido é vendido rapidamente", afirma Luciano Maia, diretor-executivo da empresa.

    A Avifran é o primeiro elo da produção das galinhas caipiras. A companhia lidera o mercado brasileiro, detendo cerca de 60% da produção e vendas de pintinhos caipiras, que depois serão alojados nos criatórios, onde crescem em regime de liberdade total, se alimentando de pastagens; ou semiconfinados, isto é, durante parte do dia ficam livres em uma ampla área. Os produtores são, na grande maioria, pequenos avicultores rurais, agricultores familiares e avicultores orgânicos. O método, considerado artesanal, gera galinhas com uma carne mais consistente, mais nutritiva, saborosa e perfumada, resultado da alimentação natural e do respeito ao ciclo de crescimento. Os ovos, de cor mais avermelhada, também seguem o mesmo padrão de saudabilidade.

    Conforme Maia, o frango industrializado é abatido entre 42 e 45 dias de vida, enquanto o abate de uma galinha caipira é realizado entre 70 e 80 dias, o que influencia também no sabor, odor e valor nutritivo. A Avifran é um exemplo dos altos padrões de qualidade empregados na criação das galinhas caipiras, desde o nascimento dos pintinhos. A companhia produz mais de 3 milhões de pintinhos de galinha caipira por mês em quatro fazendas, todas localizadas no Distrito Federal, onde investe pesado em biotecnologia e controle de qualidade. A empresa está também investindo, atualmente, na implantação de uma empresa de genética voltada para a avicultura, como parte de seu plano estratégico de crescimento, que prevê duplicar vendas e produção até julho de 2015. De know how francês, suas matrizes são importadas da França, país referência na avicultura de alta qualidade e que puxou a retomada da criação de galinha caipira na Europa, realizada também em outros países, nos últimos 15 anos.

    Em suas fazendas, a Avifran também investe na cultura do eucalipto, item importante na biossegurança requerida para a sua produção. "A empresa tem um enorme cuidado e dá um tratamento especial a toda estrutura ambiental envolvida na sua produção. Também se preocupa com a questão ambiental e de segurança produtiva dos seus parceiros", diz Maia. Todos esses diferenciais geram valor ao produto final. De maior valor agregado, a galinha caipira tem sido um bom negócio para fixar famílias no campo ou empreendedores, observa o diretor-executivo, para quem esse mercado ainda tem grande potencial. O mercado brasileiro de pintinhos se aproxima de 500 milhões de unidades por mês e apenas 1% desse total, ou cerca de 5 milhões, é caipira.

    Dados do mercado

    Dados da União Brasileira da Avicultura (Ubabef) mostram que o Brasil está entre os três principais produtores de frango do mundo, ao lado de Estados Unidos e China. Em 2013, produziu 12,3 milhões de toneladas, sendo cerca de 30% vendidas no mercado externo, volume que torna o país o maior exportador mundial. Maia diz que mais de 99% da galinha caipira produzida no Brasil é para consumo interno.

    Segundo previsão da Agência das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o consumo mundial de carne de frango tende a crescer mais do que o de carne suína, se houver produção suficiente, alcançando 124 milhões de toneladas e 123,8 milhões de toneladas, respectivamente, em 2019. Em 2022, a diferença aumenta mais, para 128,377 milhões e 126,576 milhões. Com 109,456 milhões de toneladas, a produção mundial de carne suína bateu a de frango, em 2012, com 103,132 milhões de toneladas.

    Sobre a Avifran - Avicultura Francesa

    Líder com 60% do mercado brasileiro de pintinhos caipiras, desenvolvidos a partir de matrizes francesas e com tecnologia oriunda também da França, país que é referência mundial na avicultura alternativa de alta qualidade. A empresa tem registrado crescimento médio de 15% no faturamento e no volume de vendas de pintinhos, nos últimos cinco anos, mesmo percentual esperado para 2014. O número de colaboradores também cresce na mesma medida e passou de 210, em 2009, para 320, este ano. Em 2013, comercializou 2,5 milhões de pintinhos por meio de uma rede exclusiva de 75 distribuidores, que devem chegar a 130 no próximo ano, assim como as vendas devem crescer para 4 milhões de pintinhos por mês, fruto do investimento atual de US$ 8 milhões na expansão da atividade. A produção é realizada em quatro fazendas, localizadas no Distrito Federal. Acesse: www.avifran.com.br.

    deBrasília.com.br - todos direitos reservados ©
    Para anunciar: comercial@debrasilia.com.br    Tel:(61) 8150-0256
    Para envio de material/releases: contato@debrasilia.com.br
    Desenvolvido por MadMídia