26 de Maio 11:02
E quando o médico está fora do peso?

"Essa história de comer menos, se exercitar mais e fornecer uma dieta pronta para todos não está funcionando"

  • Ft.: Divulgação Márcia Wirth é jornalista
  • Por Márcia Wirth *

    Pacientes olham com desdém – secretamente ou não tão secretamente – para médicos que estão com sobrepeso ou obesos... Sinceramente, não foi com surpresa que li os resultados do estudo The effect of physicians’ body weight on patient attitudes: implications for physician selection, trust and adherence to medical advice publicado no International Journal of Obesity.

    Há muito me interesso pelo tema preconceito contra a obesidade e suas cruéis implicações psicológicas e sociais. E assim como as pessoas com excesso de peso são estigmatizadas em uma variedade de configurações pessoais e profissionais, os médicos com excesso de peso, segundo o estudo, são vistos como menos credíveis do que os médicos de "peso normal". Além disso, os pacientes são menos propensos a seguirem seus conselhos médicos.

    As conclusões pungentes do estudo estão repercutindo, pois o excesso de peso cria nesses casos um entrave na relação médico-paciente. Até pouco tempo atrás, era fácil para os médicos imaginarem que uma vez que colocassem o jaleco branco, estariam investidos de autoridade e os pacientes certamente ouviriam suas recomendações.

    Mas este estudo diz que o jaleco branco não blinda mais o médico! Este profissional precisa modificar a sua maneira de se comunicar, assumir que tem problemas para emagrecer e controlar o próprio peso, para que os pacientes possam se comunicar com ele de maneira verdadeira.

    Muitas vezes, é preciso dar um tom confessional à consulta para não passar uma mensagem hipócrita: “eu também luto para perder peso e sei que é muito difícil. Médicos são seres humanos. Estamos sujeitos às mesmas doenças que o resto da sociedade. Perder peso é um problema extremamente difícil, é um desafio".

    O preconceito contra as pessoas com excesso de peso é tão socialmente arraigado, que apesar de todo médico (teoricamente) ser capaz de tratar a obesidade, poucos são os que conseguem manter um diálogo franco sobre o tema com seus pacientes.

    Por outro lado, é preciso compreender que os pacientes classificam os médicos com mais rigor: "se ele é um profissional de saúde não deveria estar lutando contra o aumento de peso", esse é um pensamento muito comum de muito pacientes.

    Toda essa situação delicada dentro do consultório, essa rusga na relação médico-paciente, os resultados do estudo, o preconceito contra o obeso só reforça uma convicção antiga: os médicos precisam usar sua influência social para liderar um movimento social que encare o preconceito em relação às pessoas que estão acima do peso.

    Essa história de comer menos, se exercitar mais e fornecer uma dieta pronta para todos não está funcionando. O médico precisa se certificar de que os pacientes compreendem perfeitamente os diversos fatores que contribuem para o excesso de peso, incluindo genética, composição dos alimentos, saciedade, dentre outros.

    É preciso mudar o tom da conversa sobre a perda de peso para que o comportamento social em relação ao obeso – seja ele médico ou paciente – mude também.

    * Márcia Wirth é jornalista, palestrante, consultora especializada em Health Care. Está à frente da MW-Consultoria de Comunicação & Marketing em Saúde

    deBrasília.com.br - todos direitos reservados ©
    Para anunciar: comercial@debrasilia.com.br    Tel:(61) 8150-0256
    Para envio de material/releases: contato@debrasilia.com.br
    Desenvolvido por MadMídia