31 de Março 07:57
Estudo da INTL FCStone aponta que o gargalo logístico no escoamento soja brasileira ocorre antes da mercadoria chegar aos portos

Estudo realizado pela INTL FCStone afirma que mesmo com problemas os portos brasileiros tem capacidade para escoar a soja brasileira, e que o gargalo logístico está na armazenagem e nas estradas

O escoamento da produção de soja no país é uma das maiores preocupações que se tem em relação à safra brasileira. Em razão disto INTL FCStone, consultoria de gerenciamento de risco com foco em commodities, realizou um estudo para entender qual o maior gargalo logístico que há neste processo e concluiu que o problema está na maneira como o Brasil faz a sua soja chegar até o porto e não na capacidade e na infraestrutura dos portos brasileiros, que são deficitárias, mas não são o principal problema da cadeia.

Segundo o estudo, o déficit na capacidade de armazenagem (especialmente nas fazendas) e a opção pelo modal rodoviário para percorrer grandes distâncias são os fatores que determinam a grande dificuldade que há no escoamento da produção e contribuem muito com as preocupações dos compradores sobre o momento da entrega do produto. Com isso há uma pressão nos portos, principalmente em função dos entraves observados na trajetória da soja anteriormente ao embarque.

“Para chegarmos a essa conclusão, comparamos os volumes de soja embarcados mensalmente pelo Brasil e pelos Estados Unidos, bem como as condições logísticas dos dois países em todos os seus aspectos: armazenagem, transporte e infraestrutura dos portos”, explica Natália Orlovicin, responsável pelo estudo.

O estudo mostra que os portos brasileiros possuem capacidade para exportar na mesma medida que os Estados Unidos, mas a maneira como a logística se desenrola até a chegada da soja no porto é extremamente problemática no Brasil. A falta de capacidade de armazenagem nas propriedades e o meio de transporte inadequado utilizado para se escoar a produção até o porto causa uma situação caótica de filas em rodovias e, consequentemente, filas nos portos, no período que se segue à colheita da soja.

“Dessa forma, é natural que os compradores internacionais, em especial a China, tenham receio quanto ao cumprimento dos prazos de entrega do produto brasileiro. Há gargalos que precisam ser resolvidos em todas as cadeias associadas à logística, para assim aumentar a competitividade da soja brasileira no mercado externo”, completa Natália Orlovicin.

Brasil x EUA

Analisando os ritmos de embarques das exportações de soja do Brasil e dos Estados Unidos, constata-se que estes se dão de forma muito semelhante, inclusive no que diz respeito aos volumes. O pico do volume de embarques nos EUA se concentra entre outubro afevereiro, meses que se seguem à colheita no país. Nos últimos 3 anos, o maior volume mensal exportado pelo país foi pouco mais de 8 milhões de toneladas, em novembro de 2012. No Brasil, a dinâmica de exportações se desenrola de maneira muito semelhante, inclusive no que diz respeito aos volumes absolutos. O pico de embarques se concentra entre os meses de abril e agosto, logo após o início da colheita, que correspondem em média a 76% do total exportado pelo país. Historicamente, o maior nível mensal escoado pelos portos brasileiros ficou próximo aos 8 milhões de toneladas, tendo sido alcançado em maio de 2013. Vê-se, com isso, que os dois países possuem padrões de exportação de soja muito semelhantes, não só na sazonalidade, mas também nos volumes embarcados por mês.

Comparando dois portos importantes na exportação de soja do Brasil e Estados Unidos, Santos e New Orleans, vemos que há diferenças consideráveis no que concerne à capacidade de movimentação de graneis sólidos e de armazenamento. Há que se considerar, porém, que os EstadosUnidos também são importantes exportadores de trigo e milho, o que justifica a maior estrutura portuária do país. Apesar da menor capacidade e da evidente necessidade e melhorias estruturais, os portos brasileiros são capazes de exportar volumes mensais de soja muito semelhantes aos dos Estados Unidos. O que diferencia os dois países são as condições de transporte da soja até o porto, assim como a forma de organizar e planejar o processo de exportação desde a colheita do grão.

Armazenagem

Um dos principais pontos a ser considerado na avaliação da eficiência logística dos dois países diz respeito à capacidade de armazenagem, especialmente àquela instalada nas próprias fazendas. Em Iowa, principal estado produtor de soja dos Estados Unidos, a maior parte dos agricultores possui estrutura de silos metálicos, o que ocorre raramente nas propriedades brasileiras. Com isso, os produtores brasileiros ficam dependentes de armazenagem de terceiros (que ainda é insuficiente no Brasil), causando um custo adicional, ou são forçados a escoar a maior parte da produção logo após a colheita, causando pressões sobre as rodovias, o frete e também nos portos. Parte desses caminhões servem, portanto, como silos no momento da safra. Além disso, os agricultores deixam de ter a possibilidade de escolha do melhor momento para vender a soja.

Modal

Outro fator primordial para o funcionamento eficiente da logística é a existência de uma infraestrutura adequada de transporte para o escoamento da produção até o porto. No Brasil, “optou -se” pelo modal rodoviário no transporte da soja(herança histórica do transporte de cargas), o que não é o mais indicado, devido às grandes distâncias percorridas desde as regiões produtoras até os portos, acarretando em um custo muito alto. Com o aumento da produção da soja e a falta de infraestrutura de outros modais (ferroviário e hidroviário), foi preciso encontrar uma solução rápida para o problema do escoamento. Assim,investiu-se na construção de mais rodovias, que estão longe de ser o modo mais barato e eficiente para se transportar a soja no Brasil.

deBrasília.com.br - todos direitos reservados ©
Para anunciar: comercial@debrasilia.com.br    Tel:(61) 8150-0256
Para envio de material/releases: contato@debrasilia.com.br
Desenvolvido por MadMídia